Teatro no Feminino – 1º encontro nacional de autoras de teatro

Sob o tema “O Teatro no Feminino”, a Sociedade Portuguesa de Autores acolheu o I Encontro Nacional de Autoras de Teatro, uma iniciativa da Escola de Mulheres que reuniu figuras do meio teatral nos dias 21, 22 e 23 de Janeiro de 2005, com entrada livre para todo o público interessado.

A iniciativa do I Encontro Nacional de Autoras de Teatro surgiu a partir da participação de Isabel Medina, enquanto dramaturga convidada, nos Salões de Autores de Teatro realizados em Madrid e Paris, em 2003, e enquanto colaboradora e membro da Federação Europeia de Autores de Teatro. 
A Companhia de Teatro Escola de Mulheres, que pretende privilegiar a criação e o trabalho da mulher no teatro e promover uma dramaturgia de temática e escrita no feminino, desafiou a SPA para, na comemoração dos seus 80 anos de actividade, abrir um espaço dedicado ao “Teatro no Feminino”, da responsabilidade da Escola de Mulheres.
Assim aconteceu o I Encontro Nacional de Autoras de Teatro, um espaço de encontro de autoras dramáticas, em que, conjuntamente com os seus pares masculinos e outros agentes teatrais, reflectiram e debateram questões tão polémicas como a de existir ou não uma “voz feminina” e uma “voz masculina” identificáveis nas suas relações com os géneros, as identidades e os papéis sociais. Pretendeu-se também reflectir sobre o Teatro neste século da globalização, da mediatização extrema, da formação e manipulação através das televisões, etc.
Tratou-se também de um espaço informal, com propostas diversificadas, um local privilegiado de troca de experiências e debate, a partir do qual se espera poder criar um Fórum virtual permanente que promova a dramaturgia feminina nas suas várias vertentes, desde a divulgação de novas obras junto das diversas Companhias de Teatro em Portugal, até à orientação das escritoras de forma a poderem encontrar apoios para a sua tradução e internacionalização.
O sucesso desta realização foi acompanhado pela Federação Europeia De Autores de Teatro e pelo Fórum de Teatro Ibérico, que decidiram dar continuidade à iniciativa, promovendo em Espanha, em 2006, um Encontro, mas aberto a autores tanto femininos como masculinos, ambos conduzindo a um Congresso Ibérico em 2007, cuja realização em Portugal já foi garantida pela Escola de Mulheres.
Durante três dias, o Encontro ofereceu um leque variado de acções.

OFICINAS DE DRAMATURGIA
Em data prévia à abertura do Encontro, a 7, 8 e 9 de Janeiro, realizaram-se duas Oficinas de Dramaturgia que acolheram alunos das universidades de Lisboa (Faculdade de Letras e Lusófona), Évora e Coimbra. As oficinas foram dirigidas pelas dramaturgas Filomena Oliveira e Joana Craveiro.

SALÃO DO LIVRO DE TEATRO
Esteve aberta ao público, durante os três dias do Encontro, uma exposição de obras teatrais, editadas e inéditas (neste caso apresentadas em caderno, em letra de imprensa), escritas por mulheres, para consulta livre e venda. Diariamente estiveram presentes algumas autoras que puderam discutir, informalmente, as obras com o leitor.
Este Salão contou com Expositores da Caminho Divulgação, Clube Português de Artes e Ideias, Livraria Eterno Retorno, SPA e Artistas Unidos.

DEBATES
Tiveram lugar três grandes debates com comunicações de figuras de reconhecido mérito ligadas às áreas da dramaturgia, edição, encenação e produção:

O TEATRO NO FEMININO EXISTE?  dia 22 às 10.00h Moderadora: Teresa Joaquim
QUE TEATRO PARA O SÉCULO XXI?  dia 22 às 14.00h Moderadora: Teresa Rita Lopes
O TEXTO DRAMÁTICO E A PRÁTICA CÉNICA – dia 23 às 10.00h Moderadoras: Isabel Medina | Vera San Payo Lemos

Apresentaram comunicações os Artistas Unidos, o Teatro Praga, Teatro A Joana, Estela Guedes, Jorge Silva Melo, Paulo Eduardo Carvalho, Ana Pais, Anabela Mendes, Maria Emília Correia, Possidónio Cachapa, Cucha Carvalheiro e Filomena Oliveira.

LEITURAS ENCENADAS
Foram calendarizadas, de forma intermitente, ao longo dos três dias, Leituras Encenadas dos excertos mais significativos de textos teatrais que ainda não conheceram as tábuas, seguidas de conversa informal com as suas autoras. Para isso contámos com a presença de cinco actores: Sandra Faleiro, Inês Nogueira, Rogério Samora, Albano Jerónimo e Pedro Cavaleiro. As Leituras Encenadas tiveram coordenação e direcção de Fernanda Lapa e foram patrocinadas pela REN – Rede Nacional de Electricidade.
A última Leitura Encenada foi a do texto vencedor do Concurso “Teatro Urgente”.

CONCURSO “TEATRO URGENTE”
Desafio à escrita sob pressão: no dia 21, antes da cerimónia oficial de abertura, entre as 14.00h e as 17.00H, teve lugar o concurso para a escrita de uma curta peça cuja leitura não podia ultrapassar os 15 minutos. O regulamento foi tornado público através dos sites da SPA e da Escola de Mulheres. Os participantes escreveram o texto no espaço destinado pela organização (Sala Carlos Paredes). O tema (e outras regras de escrita) foi-lhes comunicado apenas no início do Concurso, tendo sido feita uma leitura em voz alta do regulamento anteriormente publicado.
No final, os textos foram colocados em envelopes numerados e logo selados na presença dos concorrentes e dos elementos representantes das duas entidades organizadoras.
O número de concorrentes foi de 37.
Um júri, constituído por Ana Támen, Alice Vieira e José Fanha seleccionou as três melhores obras, às quais foram atribuídos os seguintes prémios:

1º PRÉMIO TEATRO URGENTE – Vencedor Rodrigo Francisco
Prémio no valor de 750 Euros para o melhor texto, atribuído pela Fundação Calouste Gulbenkian.

2º PRÉMIO TEATRO URGENTE – Vencedora: Vânia Cosme
Prémio no valor de 500 Euros para o 2º melhor texto, atribuído pela Fundação Calouste Gulbenkian.

MENÇÃO HONROSA – Vencedora: Raquel Palermo
Para o terceiro melhor texto, uma colecção de livros de teatro, prémio atribuído pela S.P.A.

Os prémios foram entregues durante a Cerimónia de Fecho.

CERIMÓNIAS DE ABERTURA E FECHO
A Cerimónia de Abertura teve a presença da então Secretária de Estado Dra. Teresa Caeiro, que apresentou uma interessante comunicação sobre o Teatro no Feminino. Abriram a Cerimónia, o Dr. José Jorge Letria em representação da SPA e a Dra. Isabel Medina em representação da Escola de Mulheres. Seguiu-se uma intervenção musical pelo grupo OS BIGODES e foi servido um cocktail.
A Cerimónia de Encerramento, também a cargo de José Jorge Letria e de Isabel Medina, teve como ponto alto a entrega dos prémios do Concurso Teatro Urgente, seguida da leitura do texto vencedor e de cocktail.

Os comentários estão fechados