Ódio

Em ÓDIO propõe-se um lugar em mutação. Inicialmente, encontra-se delineado de forma clara e rigorosa, convertendo-se progressivamente num amontoado de objectos.
No final, a distribuição dos elementos existentes constrói imagens que ali coabitam.
Esta tarefa ininterrupta é desempenhada por alguém que rememora o seu passado. O lado prático da sua acção, com um objectivo que se vai deixando adivinhar, tem o contraponto na desordem das imagens que evoca, na desconexão entre estas.
Assim, à fragmentação do que é dito, justapõe-se a continuidade da acção. É esta que nos pode indicar a procura de um sentido, por parte de quem os descreve, para os fragmentos de memória. Se esta figura é sistematicamente assaltada pelo horror, é da ordem estética que a sua acção releva. Habitam-na o trauma e o terror, investe na busca de um sublime possível.
Se o espaço é mutável, também quem nele circula não permite classificações imediatas. A sua identidade não é fixa. Aquele corpo – de mulher, dir-se-á – fala no masculino. O trauma de guerra extravasa o teatro desta e invade os espaços domésticos. Assim foi com a Guerra Colonial Portuguesa, que deixou marcas nos lares da metrópole, nos corpos de mulheres e familiares dos combatentes. Assim, o discurso em ÓDIO não é tanto o de um só indivíduo mas o que se apossou de vários seres, diferentes homens e mulheres.

Francisco Camacho

monólogo interpretado por FERNANDA LAPA

autoria JORGE HUMBERTO PEREIRA
encenação
FRANCISCO CAMACHO
cenografia ANA VAZ | FRANCISCO CAMACHO
design gráfico ALBUQUERQUE MENDES
fotografia de cena MARGARIDA DIAS

assistência de encenação SARA CARINHAS
produção MANUELA JORGE 

direcção técnica 
PEDRO MACHADO
assistência técnica RUI RAPOSO | MARINEL MATOS | BÁRBARA ROCHA | GUILHERME DUARTE
operação de som INÊS POMBO 
produção ESCOLA DE MULHERES

Teatro Sá da Bandeira, em Santarém
Estreia, dia 10 de Novembro

Galeria Graça Brandão em Lisboa
Estreia, dias 15 e 16 de Novembro

Digressões:
Galeria Nave da Câmara Municipal de Matosinhos, 10 de Março, 2007
Auditório Paços do Concelho De São João da Madeira, dia 28 de Setembro, 2007

Os comentários estão fechados