QUATRO QUARTOS – Mostra de Teatro de Curta Duração


Na sequência de um concurso de escrita para teatro de curta duração promovido pelas duas entidades coprodutoras, foram apresentados os quatro espetáculos resultantes das quatro obras vencedoras do mesmo:

NÃO TENTES PERCEBER O QUE (TE) ESCREVI de A. Branco

BROTHER’S de Márcia Antónia Gomes

A BOCA DA NOITE de Tiago Torres da Silva
e
TOYBOAT de Tiago Bôto e Wagner Borges

As quatro obras, de 15 minutos cada, foram apresentadas numa sessão contínua de 1h. Esta junção de quatro quartos de hora esteve na origem do nome do concurso e respetiva mostra.
Quatro obras distintas, de tema livre, condicionadas por uma cenografia e desenho de luz fechados previamente. O dispositivo cenográfico e desenho de luz criados para o espetáculo “Breviário para um Extermínio Silencioso”, produção da Escola de Mulheres, com estreia a 22 de Outubro de 2015, foram os pressupostos que impulsionaram o concurso, tendo sido, simultaneamente, mote condicionante para os criativos.
O júri do concurso foi composto por Cucha Carvalheiro, encenadora e actriz; Manuela Jorge, diretora de produção e Rui Neto, ator e encenador.

Resumos das Obras e respectivas Fichas Técnicas e Artísticas

Não tentes perceber o que (te) escrevi
Uma mulher combina um encontro com outra mulher. Será um último encontro ou antes o início de qualquer coisa? Têm um passado, coisas por resolver. Duas mulheres encontram-se num jardim dispostas a ler uma carta.

Ficha Técnica e Artística
Texto e Encenação: A. Branco
Interpretação: Helena Veloso e Sara Costa
Ilustrações, Design e Vídeo: Pedro Loureiro
Classificação Etária M/12

Brother’s
Em “Brother´s” narram-se os desencontros de três personagens que partilham as inquietações de uma geração que vive entre a necessidade de enfrentar o mundo real e as alienações sociais. Nesse sentido, estabelecem entre si uma relação tensa e conflituosa.
Entre G. que mascara a sua personalidade com as tendências narcisistas da sociedade actual, e P. que consome obsessivamente os vícios de uma passividade ideológica, está A., a morta que ressuscita ao adquirir o direito a exprimir-se e que exalta o eco de uma consciência escondida, consciência essa que idolatra a ilusão de alcançar um ideal de vida pacífico. G. e P. confrontam-se nas palavras, nos gestos e nas atitudes, manuseiam o leque das culpabilidades, mantendo-se equidistantes de uma realidade ficcionada de que tentam afastar-se. Assim, a comida é virtual, como virtual é a imagem que G. tenta construir para si própria.
No final, as três personagens escapam à espiral destrutiva que os envolve e encontram refúgio na tábua de salvação possível, a ideia de fuga para além das fronteiras que os cercam.

Ficha Técnica e Artística
Brother’s
Texto original de: Márcia Antónia Gomes
Encenação e Dramaturgia: Paulo Barrosa
Vídeo: Eduardo Morais
Figurinos e Adereços de cena: Raquel Campos
Representação: Gisela Maria Matos; Luís Puto; Márcia Antónia Gomes.
Classificação Etária M/16

A Boca da Noite
Uma mulher desperta abandonada sobre uma mesa com a roupa rasgada e ensanguentada. Não sabe onde está. Sabe que vem de um país que jamais a receberá de volta. Sabe que está num país que jamais a acolherá. A recordação de ter sido violada fá-la ter a certeza de se ter tornada apátrida. Sem medo e sem esperança, ela foge do futuro da mesma forma que foge do passado, sem nenhum rumo, correndo na direcção do escuro, do desconhecido, da boca da noite. No final, é com uma pergunta que ela dirige ao público que tentamos perceber se não andamos todos a correr para a boca da noite.
Um espectáculo que pretende pensar o drama dos refugiados hoje em dia e a necessidade que há de acolher os mais frágeis quando países como a Alemanha, a Áustria ou a Hungria começam a reerguer fronteiras que se pensava estarem banidas para sempre.

Ficha Técnica e Artística
Texto e Encenação: Tiago Torres da Silva
Interpretação: Maria Carson
Classificação Etária M/16

TOYBOAT
Há um sonho partilhado por dois homens, dois anti-heróis, que procuram esquecer a memória.
Há uma preocupação puritana. E uma mulher. E o medo.
A fuga ou a vontade de ficar.
Sabe-se que mesmo antes da queda, já se encontrou rendição.
Um jogo difícil.
Ninguém possui regras.
Só consequências. Eles recriam um universo próprio, um ambiente de mistério, uma armadilha onde nada é e tudo existe.
Melhor reinar no Inferno do que obedecer no Céu.

Ficha Técnica e Artística
Uma criação de Tiago Bôto e Wagner Borges
Texto: Tiago Bôto
Interpretação: Tiago Bôto e Wagner Borges
Vídeo, Figurinos e Paisagem Sonora: Tiago Bôto e Wagner Borges
Participação em vídeo: Filipa Leão
Classificação Etária M/16

QUATRO QUARTOS – Ficha técnica
Coordenação artística ISABEL MEDINA
Júri do Concurso de escrita CUCHA CARVALHEIRO | MANUELA JORGE | RUI NETO
Espaço cénico RUI NETO
Desenho de Luz JOÃO RAFAEL DA SILVA
Operação Técnica MANUELA JORGE (luz) | RUY MALHEIRO (vídeo e áudio)
Coordenação de Produção RUY MALHEIRO

Co-produção Escola de Mulheres – Oficina de Teatro e Delphos Núcleo de Intervenção Cultural

Espaço Escola de Mulheres – Clube Estefânia
19 a 29 de Novembro de 2015
quinta a sábado às 21h30 e domingos às 16h30

Os comentários estão fechados