NÃO ESTÁS AQUI POR ACASO

Com encenação de Marta Lapa, um espetáculo que junta dois nomes incontornáveis do panorama cultural nacional e internacional, Leonor Keil (bailarina, intérprete e criadora) e Carlos Bica (compositor e contrabaixista). Um espetáculo que assenta na linha de teatro-dança, com música original interpretada ao vivo. Este espetáculo nasce de uma enorme vontade destes três criadores se juntarem numa criação.

Em 1992, Marta Lapa coreografou um solo intitulado Do Chão Tão Alta, para Leonor Keil, este foi o início de várias colaborações entre ambas. E esse é um dos pontos de partida desta nova criação, numa constante evocação do vocabulário coreográfico de Marta Lapa, enquanto coreografa e encenadora.

Que memórias ficaram daqueles tempos? O que mudou? Ou o que não mudou tanto

assim? Como se olha para aquele início de há 30 anos?

Carlos Bica tem criado música original interpretada ao vivo para várias criações da encenadora, um músico de exceção que busca nas suas memórias artísticas a musicalidade dos trabalhos que compõe para espetáculos teatrais. Este é  um reencontro entre três artistas que tem vindo a ser adiado ao longo dos anos e que agora se concretiza. Uma criação que cruza, marca indiscutível do trabalho de Marta Lapa, música, teatro e dança.

da capo al coda

Tudo o que se passou acompanha-nos e também o que não passou: a nossa memória é feita de recordar e de imaginar o que se recorda. O presente não é um instante que começa.

Lapa, Bica e Keil estão aqui, neste presente, não por acaso. Um compasso ternário que modula este espaço-tempo, que se desenha espaço-gesto em mero som contínuo de um tempo trespassado.

Re-Viver
Re-Mexer
Re-Ver
Re-Olhar
Re-Sentir

os temas representados em partitura-carne-memória timbrada em andamentos.

Como se perguntassem qual o lugar que sustentará esta pressa alegre de outrora, ou a tensão suspensa da imagem, do outro, do verbo, do músculo.

Neste silêncio, o que ficou, flutua?

E quando, no fim, aquele tema torna, não é para nos encerrar num círculo fechado, mas para colocar-nos ante a lucidez de que não há regresso depois de tanto, depois de tudo.

Nem o espaço, nem a música, nem nós, somos os mesmos já.

Ficha Técnica e artística

encenação MARTA LAPA | cocriação e interpretação LEONOR KEIL | cocriação, interpretação e música original CARLOS BICA | desenho de luz PAULO SANTOS | figurinos VITOR ALVES DA SILVA | fotografia VALÉRIO ROMÃO | design gráfico GABRIELA SANTOS E LUÍS LOURENÇO

operação técnica SOFIA COSTA | direção de produção RUY MALHEIRO | assistência de produção INÊS MATOS

direção artística da Escola de Mulheres MARTA LAPA E RUY MALHEIRO M/16

72ª produção Escola de Mulheres

Estreia e temporada 16 de junho a 10 de junho de 2022

Sala de Teatro do Clube Estefânia – Lisboa (16 apresentações)

Comentários estão fechados.